De repente

De repente como quem liga a tevê,
os seus lábios
donos de uma doce voz
hipnotizam o meu olhar.
No ar, jogada você
e nos poucos minutos
a ti imediato
tu encantas dentro de mim os meus jardins.

De repente como vagas aos nossos pés,
sinto-me livre
para caminhar a beira-mar
e ver nosso reflexo.
Tocar-te o sol com palavras
não me é o bastante,
mas se com o vento os meus pensamentos
te alcançar, estarei bem.

De repentemente não pude mais ver,
nem ouvir, nem sentir,
mas como quem sonha
querer, almejar.
De repente como quem morre
eu quero viver-te, habitar-te
e desfigurar simples rosas
em cravos brancos da paixão.

Published in: on quinta-feira, 17 julho, 2008 at 23:26  Comments (1)  

The URI to TrackBack this entry is: https://danilodeoliveira.wordpress.com/2008/07/17/de-repente/trackback/

RSS feed for comments on this post.

One CommentDeixe um comentário

  1. Dedico a meu grande amor: Silvane Santiago


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: